Compartilhe o Memorial 0114A

Biografia

Foi um dos pioneiros do uso de técnicas modernas no tratamento de doenças mentais no Brasil. Sendo também um dos primeiros a divulgar junto de Arthur Ramos, Júlio Porto-Carneiro e Juliano Moreira, as concepções de Freud no Brasil. Mesmo nunca tendo exercido a clínica psicanalítica, serviu como incentivo e inspiração pra Durval Marcondes que pode ser considerado o pai fundador do desenvolvimento da Psicanálise no Brasil. Tendo se formado na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro no ano de 1890, Francisco Franco da Rocha foi o idealizador e fundador do Hospital Psiquiátrico do Juqueri fundando em 1898, primeiro na cidade de São Paulo com orientação médica para tratar de distúrbios psíquicos de indivíduos. O Hospital buscava melhores condições para uma desenvolver a parcela sadia da vida psíquica dos pacientes. Era conhecido como Asilo de Alienados do Juqueri, que em 1928 passou a se denominar Hospital e Colônias de Juqueri e, mais tarde, Hospital Psiquiátrico do Juqueri localizado no atual município de Franco da Rocha. Em meados do século XX chegou a ser o maior hospital psiquiátrico da América Latina. O Juqueri buscava desenvolver a parcela sadia da vida dos pacientes, por meio de condições favoráveis materiais, sociais, psíquicas e morais de acolhimento. Franco da Rocha se manteve ligado ao desenvolvimento da psiquiatria européia, e assim, conheceu as ideias freudiana. Franco da Rocha proferiu sua aula inicial na faculdade de Psiquiatria de Medicina da cidade de São Paulo, sobre “A doutrina de Freud, em 1919. O pansexualismo presente na obra de Freud despertou o interesse de um aluno da Faculdade de Medicina, Marcondes; Franco da Rocha apoiou sua iniciativa, de fundar em 1927, a primeira instituição latino-americana voltada ao estudo e a divulgação da Psicanálise - a Sociedade Brasileira de Psicanálise, da qual, além de co-fundador, foi o primeiro presidente. A aposentadoria de Franco da Rocha fez com que se tornassem difíceis as relações entre Marcondes e o meio psiquiátrico, fato que futuramente favoreceu a autonomia do campo psicológico no Brasil, possibilitando o acolhimento de membros não médicos em instituições psicanalíticas brasileiras, notadamente na Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo. Participou também, de acordo a historiadora Pietra Diwan, em seu livro "Raça Pura" (Editora Contexto, 2007), dos quadros da Sociedade Eugênica de São Paulo, juntamente com expoentes da intelectualidade nacional, como o médico Arnaldo Vieira de Carvalho (1867-1920) e o escritor Monteiro Lobato (1882-1948), no qual divulgavam a tese da importância do aperfeiçoamento racial denominada eugenia, criada pelo médico inglês Francis Galton (1822-1911), que tinha como objetivo o estudo dos agentes sob o controle social que podem melhorar ou empobrecer as qualidades raciais das futuras gerações, seja física ou mentalmente .